| Agência de Publicidade e Marketing 360º

Mini carrinho

A internet se tornou uma importante aliada do comércio nos últimos anos, e em tempos de pandemia muitas empresas tiveram que adaptar seus negócios para o mundo virtual.

Com a recomendação de isolamento social, as empresas precisaram buscar novos meios de se comunicar com seus clientes. As estratégias de investimento em marketing, e a migração para plataformas de vendas online cresceram bastante durante a crise econômica causada pelo novo Coronavírus.

As vantagens de um negócio virtual são muitas: Redução de gastos com funcionário, não tem gastos como água, energia e aluguel, e claro, a praticidade para os clientes. É possível comprar a qualquer hora (conveniência e comodidade), e o cliente pode comparar os preços de maneira mais rápida e fácil.

Porém, se aventurar no mundo do comércio eletrônico requer organização e planejamento, assim como em uma loja física, o background, como a gestão financeira e administração devem ser efetivas. Por isso, montamos esse artigo para tentar responder algumas dúvidas que você tem a respeito do e-commerce.

O que é um e-commerce?

E-commerce é a abreviação de eletronic commerce (comércio eletrônico). Nesse modelo de comércio, a empresa tem a sua estrutura toda montada virtualmente, desde a compra até o atendimento ao cliente. O e-commerce vai muito além da criação de um site. É a busca por tentar manter a experiência do cliente semelhante a vida real.

Qual a diferença entre e-commerce, loja virtual e marketplace?

O e-commerce difere da loja virtual por ser mais que apenas um portal de vendas, ele envolve uma gama de processos que se assemelham aos processos físicos. Dessa maneira, a loja virtual é necessária ao e-commerce, mas não é tudo.

A grande diferença dessas modalidades de vendas, é que o e-commerce consiste em uma única empresa, enquanto o marketplace é uma plataforma comum, que reúne produtos de diversas empresas. Nesse caso, a plataforma é responsável pelas transações financeiras, e às vezes assume responsabilidade parcial sobre entrega, e qualidade do produto. É uma ferramenta mais simples, porque a estrutura já está pronta. Basta fazer o cadastro e a catalogação dos produtos.

Outra diferença, e ponto positivo do E-commerce, é montar uma plataforma personalizada, com a cara do seu negócio.

Algumas das principais plataformas de Marketplace são: OLX, Mercado Livre, e a gigante Amazon.

Tipos de E-commerce

Existem vários tipos de e-commerce, sendo um deles o próprio Marketplace. Outra categorias são:

 B2B (Business to Business)

Esse é o caso de comércio entre empresas, ou seja, é comum em casos cujo os maiores clientes são outras empresas, como na venda matérias-primas.  É um pouco mais complexo, e requer um sistema que trabalhe de acordo com as condições do mercado, avaliando os fatores como aconteceria em uma transação física,  como tabela de preços, pedido mínimo, regras para transporte e cadastramento.

B2C (Business to Client)

Nesse caso, o público alvo são os consumidores finais, pessoas físicas. Podem ser comercializados qualquer tipo de produtos, como roupas, móveis, eletrônicos, cosméticos, games, itens de decoração, artesanato, livros, etc.

C2B (Consumer to Business)

Acontece quando o consumidor oferece serviços por meio de uma plataforma digital, muito comum para freelancers e autônomos, que não tem vínculos com nenhuma empresa, mas fornecem serviços para pessoas jurídicas.

Alguns sites que oferecem esse recurso são: 99Freelas e Workana.

C2C (Consumer to Consumer)

É o caso da OLX, e Bom Négocio. Plataformas que proporcionam negociação direta entre consumidores.

E-commerce para atacado e varejo

Além do sistema mais complexo, o e-commerce trabalha com vendas em grandes quantidades. Por isso, é necessária maior preocupação em logística, como na hora da entrega. Uma solução é facilitar a retirada dos produtos pessoalmente.

Como dito anteriormente, o comércio virtual consegue manter um preço mais acessível devido a redução de custos estruturais, e por isso se torna um grande concorrente das lojas físicas.

Já o E-commerce varejista trabalha com vendas em pequenas quantidades, o que requer atenção na hora de montar um sistema eficaz. É necessário que a plataforma consiga se comunicar com o controle de estoque, para evitar a venda de produtos que não estão mais disponíveis no estoque.

Existe E-commerce de produtos virtuais?

Quando falamos sobre E-commerce, é natural que a primeira ideia seja sobre os produtos físicos. Mas a comercialização de produtos virtuais, como e-books, filmes digitais, e softwares também é possível.

E-commerce de produtos virtuais, consistem em vender conteúdo e informação, como é o caso dos exemplos citados acima. Aqui é possível contornar alguns problemas anteriormente apresentados, como a limitação do estoque, e a entrega.

Entretanto, a pirataria é um problema recorrente. Desse modo, a atenção deve ser redobrada em medidas para evitar o vazamento de produtos, já que a concorrência ilegal é grande.

Vantagens do E-commerce

  1. Controle de informações para montar a melhor logística: É possível acessar o número de vezes que um produto foi visualizado, assim tem-se um norte para desenvolver decisões futuras.
  2. Personalização da plataforma: Diferente do Marketplace, a criação de um E-commerce oferece a possibilidade de personalização do site, dando toda a liberdade na hora de criar um layout que tenha a cara da sua empresa.
  3. Redução de custos: Como dito anteriormente, uma grande vantagem de manter um comércio eletrônico, é não precisar se preocupar com espaço físico, gastos de energia e água, e uma redução significativa no corpo de funcionários. Os gastos da criação de um e-commerce consistem na compra de um domínio, hospedagem, e manter um acesso adequado a internet e computadores.
  4. Vendas simultâneas: O e-commerce possibilita que sejam feitas diversas vendas ao mesmo tempo sem que a experiência do cliente sofra interferências, como a falta de vendedores disponíveis, e a fila de espera no caixa, por exemplo.
  5. Flexibilidade de horários: A possibilidade de gerenciar seu empreendimento de onde estiver, é um grande atrativo do e-commerce. Dessa forma, você pode administrar melhor seu tempo.

Como criar um E-commerce?

Agora que você já conhece mais sobre o assunto, é hora de colocar em prática!

Defina o que deseja vender 

Caso ainda não tenha uma loja, defina o produto que deseja comercializar. Físico ou virtual? É importante se atentar as especificidades de cada modalidade de venda.

Pesquise outras empresas que comercializam o mesmo produto, e estude um pouco sobre elas. Suas plataformas, estratégias de marketing, e monte a sua estrutura buscando se diferenciar da concorrência.

Monte sua identidade visual

Escolha o nome do seu negócio, e crie sua logo marca. Se possível, procure profissionais especializados na área, porque dessa forma, você pode otimizar esse passo, e montar uma identidade visual que impacte e converse com seu público da melhor maneira possível.

Crie seu site

Esse é o passo que requer mais organização e planejamento. Afinal, toda a experiência da sua empresa será feita através da ferramenta. Por isso, escolha um domínio que seja de fácil memorização, e que esteja disponível para uso.

Também é possível utilizar templates já disponíveis na internet, bastando adaptar às suas necessidades, como o WordPress.

Escolha um bom servidor 

A escolha de um bom servidor é essencial para que sua loja funcione sem problemas técnicos, como lentidão, ou páginas caindo.

Planeje um sistema de cobranças

Aqui, você pode optar por pela criação de um sistema direto, ou seja, dentro do próprio site, que é oferece um checkout mais prático para os usuários. Mas com o grande aumento de crimes virtuais, muitos clientes tem medo de colocar seus dados em sites desconhecidos. Para tentar evitar esse problema, você pode optar também por mecanismos indiretos de pagamento, como o Paypal ou PagSeguro.

Faça a logística de estoque e entrega

Fique atento na hora de criar uma demanda de produtos, evitando o acúmulo que  se torna um problema, quando encalhados, sendo necessárias estratégias como promoções para evitar prejuízo. E também evite que os produtos fiquem em falta.

Os detalhes são extremamente importantes. Observe as necessidades de armazenamento de cada produto, como as condições de estocagem adequadas. Principalmente na hora de enviar.

Analise as opções de transporte. Muitos e-commerces utilizam os correios, que é bastante acessível. Entretanto, é necessário considerar os transportes adequados para cada produto, e a urgência dos clientes.

Parcerias com transportadoras devem ser cuidadosamente analisadas, com base no volume de despachos e área de cobertura.

Ferramentas de atendimento ao cliente

Os canais de comunicação com os clientes devem ser eficazes. A plataforma deve oferecer um canal de atendimento para consumidores insatisfeitos, onde eles podem solicitar troca, reembolso, ou deixar algum feedback.

A falta desses canais fará a reputação da empresa cair, e o número de reclamações em sites destinados a isso causará reflexo negativo no faturamento da empresa.

E então? Pronto para se aventurar no E-commerce?

 

 

 

 

 

 

Nesta segunda-feira (11), o Instagram lançou o sticker interativo “Compra Local” para o Storie. A nova ferramenta tem como objetivo a divulgação de empresas locais afetadas pela crise econômica causada pela pandemia.

A intenção é que os negócios locais recebam mais visualizações, e sejam recomendados por outras pessoas. Ao ser adicionado ao storie, o sticker mostra as três últimas postagens da página, e permite que os seguidores visitem o perfil da empresa.

Os stories publicados com o sticker “Apoie as pequenas empresas”, serão adicionados a um compilado chamado “Compra Local” que reúne as publicações de comércios próximos ao usuário.

 

Para utilizá-lo, basta ir acessar seu Story, selecionar a imagem que deseja, e apertar o botão “sticker” no canto superior direito da tela;

Em seguida, selecione o adesivo “Apoie as pequenas empresas” ;

Mencione a empresa que deseja divulgar;

E por último, posicione-o na imagem. Toque o sticker caso queira ocultar ou exibir as últimas publicações da empresa.

A ferramenta também está disponível no Facebook, por meio da hashtag #Apoieaspequenasempresas. Ao clicar na hashtag, o usuário é redirecionado a uma página onde é possível visualizar as publicações de outros negócios locais.

O Facebook também anunciou o “Empresas nas redondezas”, que consiste em um mecanismo onde os usuários poderão encontrar comércios da região, entrar em contato, e realizar pedidos, como pedir comida, ou comprar os produtos.

A inciativa além da divulgação, também incetiva os pequenos empresários nesse momento delicado para a economia.

 

 

 

 

Saiba o que você deve levar em conta para escolher a agência de publicidade e e marketing digital que trará resultados para sua empresa.

Você sabe tudo o que uma agência de publicidade e propaganda tem a oferecer para o seu negócio? Muitos empreendedores associam essas agências somente à criação da identidade visual de suas empresas e desconhecem os outros serviços que podem ser prestados.

Entretanto, uma agência de propaganda é importante não só para criar uma imagem forte do seu negócio no mercado, mas também para ajudar sua empresa a atingir os seus objetivos. Muito além de uma boa equipe de design e criativos, são nos resultados para o seu negócio que deve estar o foco.

Afinal, o objetivo que você busca é potencializar os resultados da sua empresa, não é mesmo? Todos os esforços que envolvem publicidade e propaganda têm o propósito de aumentar as vendas e promover o crescimento do seu negócio. Encontrar uma agência de publicidade e propaganda que se comprometa com esses desafios é um grande diferencial para alcançar o sucesso no mercado.

Veremos neste artigo como escolher a agência de publicidade e propaganda que traga resultados para sua empresa. Confira agora!

Tenha claro o seu objetivo na hora de escolher uma agência

O primeiro passo para escolher a agência de publicidade e propaganda perfeita para ajudá-lo a chegar mais longe é definir os seus próprios objetivos. O que você espera dos serviços da agência? Para onde você deseja levar a sua empresa?

A imagem da sua empresa não é o ponto principal nesse momento. Uma agência pode trazer retornos sólidos em vendas com uma estratégia eficaz focada em resultados.

Você quer apenas uma identidade visual atraente ou deseja potencializar os resultados de vendas? Isso tudo pode andar junto quando é criada uma boa estratégia que conduz a empresa no mercado — criando uma boa percepção no público e fomentando o início de relacionamentos que resultam em vendas.

Além disso, você pode ter objetivos mais específicos que necessitam do auxílio de uma agência para serem concretizados — como a segmentação do seu público, a fidelização de clientes, a atração de novas pessoas interessadas no seu produto ou serviço, ou o aumento do número de vendas.

Analise o portfólio da agência de publicidade e marketing digital

Esqueça todas as promessas da agência e parta para o que interessa: quais são os resultados que outros clientes dessa empresa já obtiveram?

Uma boa análise dos cases de sucesso da agência de publicidade e propaganda pode ser um ótimo indicativo no momento da sua escolha. Mais do que conferir a qualidade dos serviços prestados, você também adquire uma boa noção de todo o potencial que pode ser utilizado a favor do seu negócio.

A agência ideal tem que ter um portfólio reconhecido pelo mercado. Além de conferir todo o trabalho gráfico desenvolvido e peças publicitárias veiculadas, busque conhecer os resultados obtidos com as ações promovidas. Afinal, você está em busca de resultados, não é mesmo?

Existem diferentes modelos de agência atuando no mercado, com variadas formas de atuação e serviços prestados. Investigar o portfólio da agência também pode garantir que você escolha a agência que pode oferecer exatamente a abordagem que você necessita.

Escolha uma agência com expertise no seu segmento

O trabalho de uma agência de publicidade e propaganda envolve muita criatividade para gerar engajamento do público. É somente dessa forma que os resultados realmente aparecem.

Quando a agência possui conhecimentos sobre o seu segmento e sabe como dialogar com o seu público, fica mais fácil executar ações assertivas. Por outro lado, o desconhecimento sobre quem é o público-alvo na realização dessas ações pode gerar pouco engajamento.

Uma agência com expertise no seu negócio pode trazer estratégias inovadoras para a sua empresa. Trata-se de uma parceria que tem tudo para alcançar os melhores resultados.

Atravessamos um momento em que muitas empresas enfrentam um dilema sobre o investimento no marketing tradicional ou marketing digital. Qual será a melhor abordagem para gerar engajamento do seu público? Certamente, o segmento em que a sua empresa está inserida interfere diretamente na escolha das melhores estratégias.

Analise o time profissional da agência e seus méritos

São as pessoas que criam e executam as ações que podem levar a sua empresa ao sucesso. Por isso, é fundamental analisar o time profissional da agência e conhecer os seus méritos. Afinal, a sua escolha deve considerar todos os aspectos importantes, não é mesmo?

Uma agência de publicidade e propaganda ideal possui um time profissional qualificado e comprometido em trazer resultados para os seus clientes. Toda a organização tem o mesmo propósito de ajudá-lo a alcançar os seus objetivos — seja o responsável pelo atendimento, pela criação ou pela gestão das mídias sociais.

Além disso, outra dica importante é conferir a repercussão dessa agência em outros trabalhos. Certificados e prêmios são importantes, porém, não deixe de realmente focar se essa agência é de fato comprometida em entregar valores e resultados, e não somente prêmios.

Busque uma agência com estratégias inovadoras

Inovação é a palavra-chave quando falamos sobre a escolha de uma agência de publicidade e propaganda. O mercado nunca foi tão concorrido e são diversas empresas disputando o espaço e a atenção do público. Nessa situação, destacam-se aquelas que conseguem mostrar mais valor.

Uma agência que compreende a sua empresa e está comprometida com os seus resultados consegue ser muito efetiva em transmitir o valor do seu negócio. O consumidor não está interessado em mais do mesmo, e sim em novas experiências que possam satisfazer as suas necessidades.

O ritmo de inovações do mercado é muito acelerado. As agências que conseguem se manter sempre atualizadas conseguem explorar todas as ferramentas que estão à disposição e encontram os melhores caminhos para alcançar o público de forma efetiva.

Entre as maiores tendências que estão sendo utilizadas estão os serviços digitais — que incluem a criação de um site/blog, produção de conteúdo, otimização para os mecanismos de busca, utilização das mídias sociais, e-mail marketing, mídias pagas, entre outros. O domínio sobre essas ferramentas e novas estratégias de marketing é muito importante para promover a inovação.

Avalie o custo-benefício

Trabalhar com agências de renome que cobram valores altos não é garantia de sucesso. Muitas vezes, a parceria com uma agência menor pode ser mais vantajosa, pois permite um relacionamento mais atencioso, afinal para ela todas as contas são importantes.

Não é regra, mas é comum que, em grandes agências, os maiores clientes ganhem muito mais atenção e os menores acabem ficando de lado.

Compare preços, mas não decida por eles

Quem disser que o preço de um serviço não é um fator importante está mentindo. A realidade das empresas é sempre fazer cada vez mais, com uma verba cada vez menor. Contudo, levar apenas esse fator em consideração pode ser um erro fatal para a sua empresa.

Compare os preços, os serviços e toda a parte lógica da coisa, mas não esqueça de levar em consideração a parte abstrata também. Questões como o atendimento e a confiança passada pela agência também são fatores importantíssimos e que devem pesar na decisão.

Agora que você já sabe quais são os fatores a serem levados em conta ao se contratar uma agência de publicidade, entre em contato com a gente e descubra como podemos ajudá-lo a crescer!

Agência de publicidade e propaganda: com resultados reais em vendas

Escolher uma agência de publicidade e propaganda pode ter um impacto muito maior no sucesso da sua empresa, não é mesmo?

Criar uma imagem ideal para o seu negócio é importante, mas uma agência de propaganda pode ir muito além disso. Ela precisa entender bem o seu problema e resolvê-lo independente de qualquer outro ponto. Seja qual for a sua necessidade, como campanha de mídia, aplicativo para o seu negócio, desenvolvimento de e-commerce, aumentar a presença digital da sua empresa, a agência ideal irá encontrar caminhos inovadores para solucioná-lo.

Lembre-se: hoje em dia existem diversos serviços e estratégias inovadoras que podem trazer resultados reais em vendas para o seu negócio. Você não precisa encarar a jornada rumo ao sucesso sozinho!

Conversão e Qualificação
Conversão e Qualificação

Tráfego.

Essa simples palavra resume o objeto de disputa de todos os blogs e sites da internet.

Eu pressuponho que você imagine o motivo.

As páginas na web representam os principais pilares da estratégia de marketing digital, já que são a base de sustentação da presença virtual da empresa.

Por isso, gerar tráfego significa atrair leads, estabelecer relacionamentos, segmentar a audiência e dialogar com seu público-alvo.

Neste guia, você vai aprender o que é tráfego online, quais são os principais tipos existentes e os melhores canais para gerá-lo.

Continue a leitura e saiba como atrair mais internautas para as suas landing pages.

O que é tráfego?

nível de trafego
nível de trafego

No mundo digital, tráfego se refere à movimentação de usuários que navegam entre páginas.

Ou seja, assim como o tráfego de trânsito diz respeito à circulação de veículos, o tráfego na internet trata do fluxo de usuários.

Mas ao contrário do mundo físico, o tráfego na web é muito bem-vindo pelos administradores de sites.

Isso porque quanto mais gente chega a uma página de destino, maior é o número de conversões.

Imagine que você tenha uma loja virtual de utensílios de informática e queira otimizar as vendas.

Ou que criou um ebook para coletar leads e o forneceu em uma landing page.

O que você precisa para alcançar cada um dos objetivos anteriormente citados?

Exatamente: tráfego.

As estratégias de marketing são, em sua maioria, automatizadas.

Por isso, diferentemente de uma loja física, na qual há um volume limitado de pessoas que podem ser atendidas, na internet é praticamente impossível alcançá-lo.

Não há problemas com engarrafamento.

É por isso que saber como aumentar o tráfego no site ou blog é essencial para cumprir objetivos de negócios.

Quanto mais internautas atraídos, melhores os resultados.

Não adianta nada ter uma página com um design incrível, conteúdo de qualidade e alta velocidade de carregamento se ela não é visitada por ninguém, não é mesmo?

Por essa razão, gerar tráfego é uma das metas mais buscadas por empresas que investem em marketing digital.

Os 6 tipos de tráfego para aumentar os acessos do seu site

Google Analytics
Google Analytics

Se você chegou até aqui, provavelmente quer aumentar o número de acessos no seu site.

Bom, antes de tudo, é preciso compreender um conceito chamado de “fontes de tráfego”.

Basicamente representam a origem do tráfego.

Em outros termos, são os caminhos por onde os visitantes vieram.

“Mas por que isso é importante?”, você me pergunta.

A resposta é bem simples.

No universo digital, todas as medidas estratégicas são baseadas em dados.

Ao descobrir quais são as principais fontes de aquisição de tráfego, você sabe exatamente onde investir seus esforços de marketing.

Além disso, capacita-se para avaliar reajustes orçamentários, mudanças no planejamento e muitas outras ações.

Ou seja, informações que direcionam o caminho correto ao administrador.

Existem 6 tipos de tráfego, sobre os quais falarei detalhadamente a seguir.

1. Tráfego orgânico

Diariamente as pessoas veem até mim e fazem a seguinte pergunta: afinal, como gerar tráfego orgânico?

Essa é uma dúvida muito comum, e explico o motivo.

O tráfego orgânico é natural.

Ou seja, é a visita de pessoas às páginas de um site ou blog sem a necessidade de pagamento.

Os visitantes podem encontrar suas pages em uma busca no Google, clicando em um link em algum outro site ou recebendo-a em um aplicativo de comunicação, por exemplo.

Essa é a menina dos olhos para profissionais de marketing.

A maneira mais comum para gerar tráfego orgânico é o famigerado marketing de conteúdo.

Ao criar artigos otimizados para mecanismos de busca (SEO), as páginas de um blog aparecem nos resultados de pesquisa, levando em consideração a intenção da procura do usuário.

Saber o que é tráfego orgânico e como gerá-lo é o baú do tesouro no fim do arco-íris em estratégias digitais.

E o conteúdo de qualidade e a aplicação de técnicas para um bom ranqueamento são a chave para abri-lo.

2. Tráfego pago

Marketing Estratégico

Também é possível comprar tráfego, em uma estratégia com os chamados links patrocinados.

Você deve estar se perguntando por qual motivo alguém pagaria por isso quando é possível alcançá-lo gratuitamente.

Primeiro, é importante salientar que não podemos chamar de gratuita a criação de conteúdo relevante.

Isso exige tempo, conhecimento e, muitas vezes, investimento, quando a produção é terceirizada ou há uma equipe designada para tal.

Depois, há um fator de extrema importância no marketing de conteúdo: o tempo de espera para resultados.

A otimização orgânica no Google não ocorre rapidamente, e você ainda terá que superar uma série de outras páginas tentando ranquear para a mesma palavra-chave.

Já o tráfego pago é imediato e garantido.

É claro que tudo depende do quanto você investe.

Por exemplo, o Google Ads (antigo Google Adwords), maior plataforma de publicidade digital do mundo, utiliza um sistema de leilão.

No Google, os resultados pagos aparecem antes dos resultados orgânicos na página de buscas, mas são indicados com uma etiqueta de “ad”.

Esse formato de tráfego pago é veiculado na chamada rede de pesquisa.

A outra opção mais tradicional é a rede de display, na qual os links são inseridos em sites que fazem parte do programa de parceiros do Google, por meio do Google AdSense.

Os links patrocinados também podem ser segmentados de acordo com as preferências do gerenciador da campanha.

Dados geográficos, demográficos ou comportamentais ajudam a otimizar a geração de tráfego nesse caso.

Aqui citei apenas a mais importante ferramenta de propaganda do mundo digital.

Mas lembre-se de que existem muitas outras, como o Facebook Ads, o Bing Ads e o Twitter Ads.

3. Tráfego de referência

Você já pediu uma indicação para um amigo na hora de contratar um produto ou serviço?

Eu imagino que sim.

Quanto mais confiável a pessoa, mais inclinado a fechar o negócio você fica, certo?

Bom, esses conceitos também são utilizados na web.

No entanto, as referências são inseridas em formato de links.

Você já deve ter percebido, ao ler um texto, que vários links clicáveis são inseridos em meio ao conteúdo.

Eles representam o tráfego de referência, uma maneira de “citar” outra página e permitir que o usuário navegue até ela através do clique.

Quando uma página referencia outra, ela está repassando autoridade.

Ou seja, dizendo ao Google e outros dispositivos de pesquisa que aquele conteúdo é relevante.

Os profissionais de SEO chamam esses links que levam para as páginas de um site ou blog de backlinks.

No entanto, há outro conceito interessante.

Quando você insere links para páginas externas em seu próprio conteúdo, gosto de chamar de links de saída.

Por outro lado, ao receber links páginas externas para as próprias, podemos nomear links de entrada.

O tráfego de referência é muito valioso não apenas por trazer usuários, mas também por dizer aos robôs do Google que suas páginas são úteis.

De maneira idêntica à analogia do amigo, quanto mais confiável e relevante o site, maior a força de seus links de entrada.

4. Tráfego direto

ilustração sobre crescimento de tráfego
ilustração sobre crescimento de tráfego

Se voltarmos no tempo, chegaremos a uma época na qual os mecanismos de buscas não existiam.

Nesse tempo, as pessoas precisavam digitar a URL desejada no navegador.

O conceito de tráfego direto é exatamente esse.

Quando um usuário utiliza a barra de endereço para digitar o site, recebe essa nomenclatura.

Em outras palavras, no tráfego direto não há intermediários.

O usuário acessa diretamente o seu site.

Isso normalmente acontece quando o internauta já conhece a página, recebe indicações ou toma conhecimento sobre ela por canais offline.

Também ocorre quando a página está favoritada ou para a qual foi criado um atalho.

5. Tráfego social

O tráfego social advém das redes sociais.

Ou seja, ocorre quando links são compartilhados no Facebook, Twitter, LinkedIn, YouTube ou outras plataformas de interação.

Esse é um dos motivos pelos quais é importante marcar presença nessas mídias.

Ao conquistar um público valioso nesses recintos, você pode gerar tráfego regular para seus próprios canais.

Grande parte dos internautas passa a maior parte do tempo interagindo nessas aplicações.

Uma característica muito importante desse tipo de ferramenta é que ela proporciona o aumento do alcance de acordo com o engajamento dos posts.

Além disso, permitem a ação de compartilhamentos, que são considerados backlinks valiosos para o algoritmo dos mecanismos de buscas.

6. Tráfego de e-mail marketing

O tráfego de e-mail marketing é adquirido por meio de mensagens que chegam à caixa de entrada dos usuários.

A grande diferença desse modelo é que ele é muito mais pessoal.

Links contidos em e-mails não influenciam diretamente o mecanismo de buscas e não repassam autoridade.

Mas, em contrapartida, são recordistas em cliques.

A explicação tem uma lógica.

Quando um usuário se cadastra em uma newsletter, está dando um voto de confiança para o administrador do site.

Ele solicita o recebimento de informações.

Ou seja, o primeiro contato partiu dele, ao contrário das técnicas de tráfego pago, por exemplo.

Com isso, é natural que o fornecimento de um meio de contato privado represente uma maior taxa de engajamento.

Isso gera mais cliques nos links contidos nas mensagens enviadas.

Por isso a utilização desse recurso é recomendada para gerar tráfego qualificado para um site ou blog.

Este que, aliás, é o tema do próximo tópico.

O que é tráfego qualificado?

profissional de crescimento de tráfico
profissional de crescimento de tráfico

Paulo adorava livros de fantasia desde a infância.

Recentemente ele finalmente conseguiu inaugurar a sua própria livraria virtual.

No entanto, ele precisava de clientes.

E, para isso, recorreu ao marketing digital.

Para gerar vendas, ele investiu grande parte do dinheiro em links patrocinados no Facebook.

Passado um tempo, ele não obteve o retorno esperado.

Você sabe o que pode ter acontecido?

A verdade é que, como iniciante, Paulo não atraiu tráfego qualificado.

Quando o tráfego é genérico, abrange um grande número de pessoas, o que não é uma boa ideia no ambiente digital.

Para isso, é preciso segmentar.

O primeiro passo para tal é traçar o perfil ideal do seu cliente.

No mundo do marketing, damos o nome de persona a esse conceito.

A partir disso, você será capaz de compreender as necessidades e desejos da sua audiência, e não mais atingirá qualquer internauta.

Diferentes estratégias segmentam de maneiras específicas.

Nos links patrocinados, por exemplo, você pode filtrar as suas campanhas somente para determinadas regiões, perfis comportamentais, idade, sexo ou outras variáveis.

Já no marketing de conteúdo, a melhor saída é produzir conteúdos específicos para a sua persona.

No caso de Paulo, seria uma boa ideia criar artigos com os títulos “Os melhores livros infantis para ler em 2019” ou “Top 15 livros de fantasia nacional”.

Esse é o conceito de palavras-chave, que atrai pessoas que realmente se interessam pelo que você vende.

Já no e-mail marketing, as informações são internas.

Então, você pode qualificar o público observando os padrões de comportamento e definindo o nível de interesse dos usuários.

Por exemplo, se um internauta abre muitas das mensagens e clica em vários links, isso significa que ele está engajado.

Portanto, está apto a receber conteúdos com maior frequência, gerando mais tráfego qualificado.

Percebeu como funciona?

A internet apresenta várias soluções para segmentar e qualificar o público.

Sabendo utilizá-las, você certamente se destacará perante a concorrência.

Como escolher o melhor canal de tráfego?

profissional acessando laptop com dados de tráfico pago de web
profissional acessando laptop com dados de tráfico pago de web

Depois de observar as várias opções de canal de tráfego, você provavelmente deve estar se perguntando qual deles deve utilizar, correto?

Se esse é o caso, saiba que só há uma maneira para definir o caminho certeiro para atrair visitantes para as suas páginas.

São as métricas.

Veja bem, na web temos a grande vantagem de que tudo pode ser medido e analisado.

Portanto, vale muito a pena observar os dados recolhidos depois da utilização de cada um dos canais.

E, assim, diante da observação precisa, estabelecer quais deles devem ser mantidos, ajustados ou descontinuados.

Uma ferramenta indispensável para isso é o Google Analytics, que traz dados precisos sobre as fontes de aquisição.

Mas lembre: você deve aliar os números com outras informações importantes para o seu negócio.

Nem sempre o canal que mais gera tráfego é o melhor.

Obviamente, uma campanha de links patrocinados trará mais gente para o seu site que uma gestão de redes sociais.

No entanto, deve-se considerar os gastos para tal.

Por isso, uma medida muito importante em estratégias digitais é o ROI (Retorno Sobre o Investimento).

Ao avaliar essa métrica de cada canal individual, você será capaz de avaliar se o investimento é realmente válido e qual é o melhor canal de aquisição.

Além disso, há diversos outros indicadores valiosos, é claro.

Estude-os, defina quais são importantes para o seu negócio e monitore-os.

5 dicas para gerar tráfego para seu site

ilustração sobre tráfico web em computador sob mesa
ilustração sobre tráfico web em computador sob mesa

Por fim, fiquem com algumas dicas para atrair mais usuários para as páginas de seu site.

1. Escolha palavras-chave de cauda longa

Um dos conceitos mais importantes de SEO é conhecido como cauda longa.

Em suma, consiste na ideia de selecionar palavras-chave mais específicas (e normalmente mais longas) em vez de investir em keywords abrangentes e concorridas.

Assim, no lugar do termo de pesquisa “computador”, que tal pensar em “computador para games em São Paulo”, por exemplo?

2. Invista em link building

A construção dos links internos do seu site também é muito importante para o tráfego.

Lembre-se: uma vez dentro do site, o ideal é que o visitante permaneça nele.

Assim, as chances de otimização de suas conversões aumentam bastante.

Portanto, estruture as referências para páginas próprias e estimule as ações desejadas.

3. Utilize os social ads

Normalmente os anúncios em redes sociais são mais baratos do que nos mecanismos de buscas.

Isso não é um padrão e nem significa que certamente trarão melhores resultados, mas pode ser uma boa alternativa se o seu objetivo é simplesmente gerar tráfego.

4. Crie conteúdo multicanal

Apesar de existir uma persona, o seu público abraça uma série de perfis e canais da internet.

Por isso, a criação de conteúdo multicanal é uma prática recomendada.

Ao gerar artigos, ebooks, podcasts, vídeos, apresentações de slides, infográficos e outros tipos de materiais, você atrai mais e mais pessoas.

Há, inclusive, muitos empreendedores digitais que são adeptos do reaproveitamento do conteúdo em diferentes formatos.

5. Estabeleça relações duradouras

Quanto mais profundos forem os relacionamentos com as pessoas que frequentam o blog, maior será o tráfego recorrente.

Os mecanismos de buscas são excelentes métodos para atrair novos visitantes.

Mas e quanto aos antigos?

Os antigos devem ser nutridos por meio das redes sociais e o e-mail marketing, gerando engajamento e aproximando-se cada vez mais dos seus seguidores fiéis.

Ligamos para Você!


Seu número de telefone não será usado para fins de marketing