Dia da Pizza: curiosidades do prato que conquistou o mundo inteiro

Neste domingo (10) foi comemorado o dia internacional da Pizza

por Gustavo Santos da Silva Resende

Uma das maiores marcas da Itália hoje, a pizza ficou no térreo com imigrantes italianos do Sul e acabou conquistando o coração dos brasileiros em pouco tempo.

Essa rodada é tão importante e popular por aqui que você ganhou até um dia para chamar de seu, o Pizza Day, comemorado no dia 10 de julho.
A data foi instituída em 1985 após um concurso no estado de São Paulo idealizado pelo então secretário de turismo Carlos Luiz de Carvalho, que na época selecionou as 10 melhores receitas paulistanas.
O dia então virou uma pizzaria para todo o país, hospedando o evento de forma ilegal e fazendo ofertas e pentes para esquentar o comércio.

Interesse porque os números são impressionantes: segundo a Associação de Pizzarias Unidas do Brasil (APUBRA), o Brasil tem cerca de 112 mil pizzarias ativas – número que considera apenas as empresas que possuem código de conduta (CNAE) e cadastradas no I-IRS.

Desse número, São Paulo está à frente de outras províncias: o negócio estima que sejam 26.160 pizzarias no total.

Uma fatia da Itália

No entanto, embora os círculos hoje sejam um símbolo da gastronomia italiana, a verdade nem sempre foi assim. De fato, a pizza se popularizou primeiro no Brasil e depois na própria Itália.

Em partes da Europa, a pizza era amplamente utilizada em partes das pessoas mais pobres do Sul, especialmente em Nápoles e região.

Essas e outras curiosidades em torno da pizza são atestadas no novo livro “Uma fatia da Itália”, da jornalista Flávia G. Pinho.

Especialista em gastronomia e pesquisador em História da Alimentação, estudou por cerca de três anos sobre a chegada da doçura em solo brasileiro.

Em sua busca por pizza em São Paulo, ele encontrou um livro inusitado. As referências se concentravam em aspectos técnicos adicionais ou eram referências a pizzarias populares.

Mas como a pizza veio da Itália, veio para o Brasil e se acostumou aqui? Com a ajuda de pizzaiolos, donos de pizzarias e herdeiros dos centros, o jornalista conseguiu acompanhar o andamento dessa refeição na capital paulista, que mais tarde conquistou o coração – e amigo – do restante do Brasil.

Qual é a origem da pizza?
No antigo Egito já existiam pães, e eles começaram a trabalhar fermentando e produzindo fornos. Foi na Itália que a pizza ganhou seu molho de tomate e, assim, começou a ganhar as caras que conhecemos hoje.

Regional ou nacional?
A pizza na Itália não era apenas um prato nacional, mas regional, derivado do porto de Nápoles. Era o alimento da classe trabalhadora, uma das mais pobres.

São feitos de discos de massa simples com molho de tomate, que incluíam ingredientes já existentes, como queijo e peixe seco. Por isso, eram vendidos em locais convenientes, barracas e até vendedores ambulantes.

Tinha a característica de ser fácil de comer com a mão, sem cortar, em movimento. Para se ter uma ideia, a pizza demorou mais para se espalhar na Itália do que no Brasil. Tornou-se um prato nacional na Itália muito depois de termos pizza aqui no nosso país.

Chegada da pizza no Brasil
Foi em uma casa de comida pobre que ele chegou a São Paulo. Uma segunda onda de imigrantes que chegaram à capital, São Paulo, no início do século 20, veio do sul da Itália, onde comiam pizza.

Eles vieram aqui em busca de comida que os lembrasse de casa. Assim, a pizza era vendida aos ambulantes e vendida nas portas das fábricas desde o início da manhã.

Era uma comida tão barata para sentir saudades de casa e mais tarde começou a ser vendida em restaurantes e cafés.

As primeiras pizzarias do país
Primeiro, antes de chegarem aos restaurantes, as pizzas começaram a ser feitas nas casas dos imigrantes. Alguns especialistas associam isso ao fato de comermos muito pizza à noite, pois as mulheres imigrantes fazem pizza quando o sol se põe para reunir os amigos, porque durante o dia todo mundo estava trabalhando.

Informal, esse processo de fazer pizza para os amigos é o que deve despertar os pequenos negócios.

A primeira pizzaria conhecida a existir foi a de um imigrante chamado Carmino Corvino. Vendeu essas pizzas como vendedor ambulante e foi em 1910 que abriu o centro.


Pizzas “abrasileiradas”.
A farinha de trigo era a base. Na minha opinião, foi a falta de farinha de trigo de qualidade, como a usada na Itália, que produziu as características da pizza paulista como a conhecemos: com uma crosta fina e dura.

Pizza napolitana, a princípio, fofinha e longa. Então você precisa de uma boa farinha. Isso não era possível no Brasil no início do século XX.

Primeiro, porque não tínhamos moinhos. Mesmo depois que os primeiros moinhos foram abertos, o trigo que vinha para fazer a farinha era ruim, passou a ser velho, quebradiço e mal armazenado.

Em algumas casas, durante a guerra, quando havia escassez de farinha, a massa da Itália era transformada em farinha para fazer pizza.

Outra característica da pizza paulista é a cobertura. Há várias opiniões: há quem diga que na Itália não havia ingredientes em abundância e aqui no Brasil havia de sobra.

Há quem diga, porém, o contrário: quem vem de uma era sem guerra tem o hábito de não desperdiçar.

Há também a noção de que os donos da pizzaria em São Paulo não faziam pizzas, que colocavam as mãos na massa pelos trabalhadores. Então, esses trabalhadores começam a enchê-los com ingredientes de acordo com sua cabeça.

O fato é que a pizza com toneladas de queijo e cobertura é uma característica de São Paulo, que se tornou uma marca brasileira.

Pizza só no domingo!
Em São Paulo, assumiu esse aspecto de compartilhamento, diferentemente da pizza napolitana, que é individual.

É aqui que começamos com a prática de fazer uma pizza grande que será colocada no meio da mesa e comida com outras pessoas. Desde então virou comida para ser compartilhada, virou tradição e não é mais apenas uma questão de saciar a fome.

Em Nápoles, ainda hoje, vemos pizzarias abertas a qualquer hora do dia, onde são vendidas como fast food para matar a fome.


Disk pizza
O surgimento do delivery de pizza aqui coincidiu com a chegada do videocassete. Foi nessa época, na década de 1980, que as pessoas começaram a se divertir mais, quando passaram a convidar amigos para assistir filmes em casa. Foi quando a entrega de pizza começou a trovejar.

Pizza com picanha na zona sul
As pizzas variam de lugar para lugar. A diferença mais notável está no Rio Grande do Sul, principalmente por ser uma região predominantemente italiana, mas quando a pizza chega tarde.

Se você olhar os cardápios estaduais, encontramos um grande número de pizzas com carne por cima, como picanha e coração pequeno.

Na minha pesquisa, a teoria é que os primeiros centros de venda de pizzas RS foram na verdade almôndegas.

Logo, estavam servindo como casas de carnes no almoço e pizzaria no jantar. O resto do almoço vai para as pizzas, que produzem uma cultura de carne ao redor.

Por que a pizza é tão popular?
É um alimento fácil de amar e permite muita familiaridade. E novamente porque é divertido! Você conhece alguém que não gosta de pizza?

Você pode gostar

العربية简体中文NederlandsEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsРусскийEspañol