Para seu próximo ato, a estrela pop se tornará a primeira mulher negra responsável por uma grande casa de moda de luxo em Paris. Aqui, ela dá um primeiro toque exclusivo.

FENTY. FENTY. FENTY. Se você é fã da Rihanna há tempos, provavelmente sente saudades da Rihanna-cantora, e também provavelmente está um pouco cansado de tanta Rihanna-empresária que vemos com uma frequência ainda maior que gostaríamos. Esta entrevista é pra você.

Rihanna há tempos
Rihanna há tempos

As legendas da entrevista abaixo são: Jeremy Harris para “JH” e Rihanna Fenty para “RF”. Adicionamos algumas informações extras em azul, pra quem possa estar perdido.

Jeremy O. Harris: O que você aprecia desde que se mudou para Londres? [Rihanna se mudou este ano]

Rihanna Fenty: Andar pelo quarteirão.

Jeremy O. Harris: Espere, você pode andar pelo quarteirão? Porque aqui, eles teriam que fechar tudo.

Rihanna Fenty: Não! Este não é um dia normal em Londres. É feriado bancário. Todo mundo viajou. É uma loucura.

Jeremy O. Harris: As pessoas reconhecem você?

Rihanna Fenty: Quando vou andando, tento passar despercebida.

Jeremy O. Harris: Bem, você é Rihanna. O que me leva à minha primeira pergunta: o que o atrai a colaborar com uma empresa como a LVMH? Eu sinto que você é tão grande quanto a LVMH, se não maior. [LVMH é um grupo que tem empresas como Louis Vuitton, Dior e outras, e agora é parceira da nova marca da Rihanna, “Fenty”. Veja mais aqui.] Rihanna Fenty: Uau. Isso é meio louco de dizer.

Jeremy O. Harris: Mas é verdade. Números não mentem. [Uma referência a um tweet antigo de Rihanna, falando que números não mentem. Veja aqui.]

Rihanna Steals Show at 2019 Crop Over Festival in Barbados | Time
Rihanna Steals Show at 2019 Crop Over Festival in Barbados

Rihanna Fenty: Eu tenho evoluído lentamente por todo o mundo da moda. Primeiro usar, comprar, ser reconhecida pelo meu estilo e depois colaborar com as marcas. Eu nunca quis colocar meu nome em algo e vender minha licença. Eu sou muito prática, então eu queria ir devagar e ganhar respeito como designer. Eu já tinha um relacionamento com eles depois da campanha de Versailles [em 2015] e da linha de maquiagem, então eles estenderam a oferta para mim e foi óbvio porque a LVMH é uma máquina. Bernard Arnault [presidente da marca] estava tão empolgado; ele confiava em mim e na minha visão.

Jeremy O. Harris: Quando eles vieram até você com isso, fez parte do seu pensamento, tipo, “eu vou ser a primeira mulher negra a fazer isso?”

Rihanna Fenty: Não, e eu nem sabia disso até meses de relacionamento, quando Jahleel [Diretor de Estilo da marca Fenty] chamou minha atenção. E eu fiquei tipo: “Você tem certeza disso? Você fez sua pesquisa? Porque eu não quero declarar uma alegação que é apelativa.” Porque eu ainda não conseguia acreditar. Isso me fez sentir orgulhosa.

Jeremy O. Harris: é território não explorado. Quais modelos você tinha – ou estava simplesmente indo de uma tarefa para outra?

Rihanna Fenty: Eu não tive esses sonhos quando era pequena. Eu tive um sonho de fazer música; é isso aí. Eu nem sequer pensei sobre a parte da fama, e então isso aconteceu, e é tipo: “Eu realmente gosto disso? Quanto eu realmente amo música com a qual estou lidando com isso? ”Então o comentários de que eu só tinha um hit veio à tona e colocou fogo na minha bunda, e eu nunca parei de trabalhar. Toda vez que era sobre me desafiar: eu tenho que fazer melhor, eu tenho que fazer melhor. E o que vem a seguir, o que vem a seguir? Eu ganhei um Grammy [em 2008] e isso foi segundos no meu passado assim que chegou em minhas mãos. Eu tenho que pensar na próxima coisa, o que é terrível porque as pessoas devem viver no momento. Eu comecei a ramificar em diferentes lojas criativas. Isso é o que me faz feliz.

Jeremy O. Harris: Algo que um dos meus mentores, o dramaturgo Branden Jacobs-Jenkins, disse para mim é: “Nunca deixe ninguém te roubar o seu direito de falhar.”

Rihanna to launch luxury fashion house with LVMH
Rihanna to launch luxury fashion house with LVMH

Rihanna Fenty: Você sabe o que é louco, eu tenho uma tatuagem que está escrita para trás para que eu possa ler no espelho: “Nunca um fracasso. Sempre uma lição.” [Confira todas as tatuagens aqui] Então o que você acabou de dizer é, como, boom! Como você vai aprender sem cometer erros? Você acreditou em sua mãe quando ela disse: “Não toque no ferro”?

Jeremy O. Harris: Não! Nenhum de nós acreditou.

Rihanna Fenty: Você teve que tocá-lo, certo? Você teve que se queimar.

Jeremy O. Harris: Que lições você acha que poderia aprender se esse projeto Fenty falhasse?

Rihanna Fenty: Tantos, porque é o começo de um novo mundo. Tudo foi uma colaboração, então eu pluguei meu DNA no deles, mas já havia um projeto. Estou aprendendo muito: sobre a alfaiataria, o tecido – estou vendo tecidos que nunca vi na vida.

Jeremy O. Harris: Quais são alguns desses tecidos?

Rihanna Fenty: Um deles é chamado de “weapon” [um tecido de lona de algodão]. Foi nisso que acabamos fazendo nossos ternos. Até mesmo fazer roupas de luxo é diferente. Todas as técnicas são ridículas.

Jeremy O. Harris: Quero dizer, tudo isso em seus vestidos é…

Rihanna Fenty: Eu amo um espartilho. Colocamos um espartilho em um terno, um vestido, uma camisa, uma jaqueta jeans e um vestido de camiseta.

Jeremy O. Harris: É tão feminino. Mas você está usando formas tradicionalmente masculinas (o terno, o casaco de trabalho) para contar uma narrativa complexa sobre a pessoa Fenty. Qual é a relação da pessoa com a masculinidade e a feminilidade?

Rihanna Fenty: Eu me uso como musa. É calça de moletom com pérolas, ou uma jaqueta jeans masculina com um espartilho. Eu sinto que vivemos em um mundo onde as pessoas estão abraçando cada pedaço de quem elas são. Olhe para Jaden Smith [filho de Will Smith],  Childish Gambino.

Jeremy O. Harris: Para mim, parte de ser Rihanna é rebolar em um iate e saindo de um bar com uma taça de vinho. Você é como um moderno Dionísio, uma deusa da festa, o movimento. Isso parece verdade para você agora como a musa da Fenty?

Rihanna Fenty: Houve uma grande evolução nessa festa. No começo, era apenas minha cultura, minha vida. E agora, a festa, acredite ou não, está no trabalho. Eu não saio. Eu vou para um jantar. Eu tento me divertir tanto quanto posso durante o trabalho. E mesmo depois do trabalho, quando estou literalmente na minha cozinha tomando uma bebida, convido toda a minha equipe. E nós ainda trabalhamos.

Jeremy O. Harris: Você acha que essa capacidade de festejar com sua equipe vem do fato de seus associados e funcionários, conhecidos como #TheCorp [Melissa, Jenn, Jay Brown, Kristina e outros], serem como família?

Rihanna Fenty: Eu os vejo mais do que minha família e passo a maior parte da minha vida com eles. Torna-se amizade primeiro, e depois leva à família porque nos apoiamos um no outro. Tenho certeza de que é muito diferente de qualquer outro relacionamento entre patrão e funcionário.

Jeremy O. Harris: Usar seu nome de família como âncora desta empresa e Fenty Beauty parece lembrar a ideia de uma empresa familiar. O que estava por trás dessa escolha?

Rihanna Fenty: Eu costumava ter medo de entrar no mundo da maquiagem de celebridades. Vi marcas como Hilary Duff e Hannah Montana terem tanto sucesso [no auge], mas chegou a um ponto em que elas estavam tão saturadas no mercado que diluíam suas marcas pessoais. Isso me fez pensar: “Eu não vou fazer isso, porque você perde o seu respeito e credibilidade”, e assim toda colaboração que eu fiz fora da música, eu usei Fenty para que você não tivesse que ouvir a palavra “Rihanna Toda vez que você viu algo que eu fiz. Então Rihanna ficou a música, a pessoa. Mas essas outras marcas são chamadas de Fenty.

Jeremy O. Harris: Você sabe de onde vem seu sobrenome? Eu pesquisei.

Rihanna Fenty: Realmente? Você está prestes a me ensinar algo sobre mim mesmo. É irlandês?

Jeremy O. Harris: Não, é espanhol e português. Deriva da palavra “infante”, um título para os filhos da realeza. Rihanna Fenty: Saia daqui!

Jeremy O. Harris: É um nome medieval. Rihanna Fenty: Isso está me derrubando.

Jeremy O. Harris: Isso te derruba porque Fenty abre tantas portas? Como você está olhando para dar espaço a essa mesa de design de luxo para outros estilistas negros, marrons e femininos?

Rihanna Fenty: Eu gosto de pensar no meu estabelecimento na casa Fenty como uma ponte. Então, estou sempre olhando para as coleções de pós-graduação, que estão prestes a deixar a faculdade, o que querem daqui um ano. E nós fizemos isso com alguns jovens designers e alguns novos que estão chegando. Mesmo que você nunca tenha criado algo em sua vida, você pode ter um gosto impecável: estou dando as boas vindas à visão de todos aqui, porque é isso que vai levar. Eu não posso pensar que sei tudo. Eu sou muito inteligente com o meu maníaco por controle – um maníaco pelo controle inteligente. Eu recebo com prazer a experiência de outras pessoas. Eu amo novos talentos jovens.

Jeremy O. Harris: Quem foi realmente generoso em compartilhar conhecimento com você?

Rihanna Fenty: Jay Brown, meu empresário que começou como meu A&R [abreviação para Artista e Repertório]. Ele é uma figura paterna na minha vida.

Jeremy O. Harris: Jahleel disse que quando você o contratou, deu a ele “seus papéis de liberdade”. Ele está livre para percorrer a sede da LVMH em Paris e ser quem ele quer ser. De onde vem essa liberdade? De ser afiliado a você?

Rihanna Fenty: Não, porque mesmo dentro de ser Rihanna, essa liberdade não existiu por um tempo. “Good Girl Gone Bad” é onde eu comecei a tomar as rédeas: “Eu vou fazer o que eu quiser, eu estou tomando o controle da minha visão, meu som, minhas roupas.” o caminho — coisas que me fazem uma mulher melhor, um ser humano melhor. Tipo, até o jeito que eu me comunico: estou muito orgulhoso do meu crescimento nisso. Tenho orgulho de entrar em qualquer prédio como essa pessoa. Nada sobre mim me deixa envergonhado por causa de mim.

Jeremy O. Harris: Você fez uma entrevista em 2012, onde disse que costumava mudar sua voz em reuniões de negócios. Essa foi uma das pressões que você sentiu naquela época, para ser um certo tipo de mulher da ilha na sociedade americana?

Rihanna Fenty: Não, essa foi a pressão que senti desde o salto, com “Music of the Sun.” Estou caminhando para um novo mundo, uma nova indústria, com pessoas que têm feito isso para sempre. Eu vim literalmente de uma rocha no oceano.

Jeremy O. Harris: Você tinha 15 anos!

Rihanna Fenty: Certo. Você não sabe nada então. Então você só aceita o conselho dessas pessoas e percebe: “Este não é quem eu sou”. Foi a pressão de se sentir seguro em uma caixa. Eu nunca gostei desse sentimento, e assim eu cresci fora dessa caixa quando eu não aguentava mais, e eu apenas fui para ela.

Jeremy O. Harris: “Good Girl Gone Bad” é seu álbum favorito?

Rihanna Fenty: Não, porque isso foi uma transição. Eu não sei qual é o meu álbum favorito – eu tenho certeza que se eu colocar todas as minhas músicas favoritas juntas, seria um álbum realmente doentio. Talvez eu deva fazer isso um dia.

Jeremy O. Harris: Você deveria trolar seus fãs fazendo isso. Algo como “Novo álbum, pessoal!”

Rihanna Fenty: Eles me odiariam. Eles me matariam. [Sim! rs]

Jeremy O. Harris: Eu não estou na Navy, mas sou próximo. Então eu tenho que fazer algumas perguntas que eu vi flutuando por aí.

Rihanna Fenty: O.K. [Risos]

Jeremy O. Harris: É verdade que você está fazendo um álbum de reggae?

Rihanna Fenty: Sim!

Jeremy O. Harris: Mesmo? O.K., você está colaborando com Lady Gaga?

Rihanna Fenty: Não. Jeremy O. Harris: Ah, eles acham que você está colaborando com Lady Gaga.

Rihanna Fenty: Talvez porque ela me seguiu no Instagram. Não está nos planos agora, mas eu não sou contra isso.

Jeremy O. Harris: Você vai colaborar com Drake novamente?

Rihanna Fenty: Não tão cedo, eu não vejo isso acontecendo. Não neste álbum, com certeza.

Jeremy O. Harris: Como o álbum é chamado? Rihanna Fenty: Hm, ainda não sei.

Jeremy O. Harris: Se você ainda não sabe, provavelmente não sabe quando sairá?

Rihanna Fenty: Eu não sei. Jeremy O. Harris: Você tem algum nome em consideração?

Rihanna Fenty: Não, até agora foi apenas “R9”, graças à Navy. [‘R9’ porque será o nono álbum de estúdio de Rihanna] Estou prestes a chamá-lo assim, provavelmente, porque eles me assombraram com esse “R9, R9, quando o R9 está saindo?” Como vou aceitar outro nome depois que ele foi queimado no meu crânio?

Jeremy O. Harris: É esse presente para os fãs que mais esperam por isso.

Rihanna Fenty: Isso seria fofo.

Jeremy O. Harris: Você é uma das nossas únicas pop stars imigrantes na América, sendo o 21 Savage outro. Ter vindo de uma ilha que é 90% negra faz com que pareça natural ter 40 tons distintos na primeira edição do Fenty Beauty?

Rihanna Fenty: Na minha própria casa, meu pai é meio negro, meio branco. Minha mãe é negra da América do Sul. Eu estava vendo diversidade. Isso é tudo que eu sabia. Crescendo, eu queria ser mais negra, sempre. Então, fazendo maquiagem, não era nem uma coisa que eu tinha que pensar. Eu nem sabia o quanto era ruim, o vazio no mercado de bases escuras, porque tudo o que eu vi eram mulheres negras fazendo maquiagem. Eu nem acho que 40 tons são suficientes! Então eu adicionei 10 mais recentemente, e não vamos parar por aí.

Jeremy O. Harris: Há alguns anos, você começou a fazer uma jornada “com curvas”. Como isso mudou a maneira como você observou a inclusão em relação à sua linha de moda?

Rihanna Fenty: Apenas mudou como eu me visto em termos de minhas proporções. Você usa o que fica bem em você e é isso. Eu sou mais cheinha e com curvas agora, então se eu não posso usar minhas próprias coisas, quero dizer, isso não vai funcionar, certo? E meu tamanho não é o maior tamanho. Na verdade, está mais perto do menor tamanho que temos: chegamos a um [tamanho francês] 46. Estamos dizendo que podemos encontrar o seu tamanho a qualquer ponto.

Jeremy O. Harris: Vamos falar sobre esses lançamentos mensais, que é um dos aspectos inovadores disso: a Fenty lançará vários itens novos – do básico para peças especiais – exclusivamente em seu site. Como surgiu o modelo de distribuição?

Rihanna Fenty: Porque eu sou uma geração do milênio, sabe? As pessoas estão sempre procurando o que ainda não está on-line. E como consumidora, eu odeio ver algo na passarela e depois ter que esperar seis meses por isso. Eu tive que esperar todo esse tempo para conseguir. Será que eu…

Jeremy O. Harris: Ama ainda mais?

Rihanna Fenty: Sim! Então, com isso, você vê, você ama, você pode ter. Eu quero ser o mais disruptiva possível. A marca não é tradicional. Não há desfile. É uma nova maneira de fazer as coisas porque acredito que é aí que a moda vai eventualmente.

Jeremy O. Harris: Havia algum nó branco nos escritórios da LVMH quando você apresentou este modelo de distribuição? A tradição é um dos principais pilares dessa empresa.

Rihanna Fenty: Acredite ou não, é a coisa que realmente empolgou o Sr. Arnault. Ele não começou uma marca do zero por um tempo. É o bebê dele também. Ele é tão prático, que valida como eu lidei com as coisas.

Jeremy O. Harris: Jahleel disse que a marca Fenty está sendo lançado como um monte de singles que somam um álbum.

Rihanna Fenty: Essa é uma analogia fofa.

Jeremy O. Harris: Qual você acha que é a vibe do primeiro single? [analogia para o primeiro produto]

Rihanna Fenty: O primeiro single é realmente forte e ousado, comparado com o lançamento logo depois, que é um pouco mais feminino. Mas o primeiro, há muitas peças clássicas também.

Jeremy O. Harris: Eu acho que você tem o seu vestido preto Fenty por aí, com as aberturas e ombro alto.

Rihanna Fenty: Eu vejo muitas dessas peças como peças clássicas. Eles não vão sair de moda.

Jeremy O. Harris: O que está inspirando você enquanto se prepara para os próximos lançamentos?

Rihanna Fenty: Cartões Postais ou livretos gratuitos em hotéis em Barbados há anos: você verá alguns deles em nossas camisetas. Há também essas impressões que parecem realmente pinturas antigas das quais estamos tirando vestidos e ternos de saia.

Jeremy O. Harris: Com todas essas peças, quem mais você acha que está conversando com elas? O que os compradores devem comparar com a marca Fenty?

Rihanna Fenty: Eu não me importo com o que você compara. O que você quiser. Você sabe, quando eu era mais jovem, eu não podia pagar tudo, exceto um par de Timberlands: Essa era minha Dior. E eu tive que poupar meu dinheiro por um ano letivo inteiro para conseguir aqueles Timberlands que eu queria, e eu fiz isso. Agora, se seu armário está cheio de Dior, vá em frente, compare Fenty com isso. Mas você pode ter alguns tênis Balenciaga e um ajuste ‘Fashion Nova’ que minha jaqueta super combina.

Jeremy O. Harris: Então aquela garotinha que está economizando dinheiro para o Timberlands, o que você diz a ela agora?

Rihanna Fenty: É isso que me faz perguntar: quanto vai custar no varejo? Como podemos reduzir o preço sem comprometer a qualidade? [Os preços dos itens Fenty custarão entre 200 e 1500 dólares]

Jeremy O. Harris: Eu não consigo superar o fato de que, você sabe, a indústria da moda é historicamente tão explicitamente branca, tão racista, tão classista e tão sexista. Houve momentos em que, como mulher negra, você se sentiu como uma pessoa de fora nesse espaço? Ou ser Rihanna alivia isso?

Rihanna Fenty: Nunca é aliviante  sabe? Você vai ser negro aonde quer que vá. E eu não sei se é lamentável ou se é sorte, porque eu amo ser negro. Então, desculpe por aqueles que não gostam disso — essa é a primeira coisa que você vê antes mesmo de ouvir minha voz. Há também outros fatores: sou jovem. Eu sou novo na família. Eu sou uma mulher. Esses fatores entram em jogo, mas não vou me desculpar por eles, e não vou desistir de ser mulher, de ser negra, de ter uma opinião. Estou dirigindo uma empresa e é exatamente isso que vim fazer aqui. Eu não sei se isso deixa as pessoas desconfortáveis ou não, mas isso nem é da minha conta, sabe? Eu sei que o motivo de eu estar aqui não é porque sou negro. É por causa do que tenho para oferecer. É nisso que eles investem. E o fato de eu ser negro é apenas isso: um fato.

Jeremy O. Harris: Eu sinto que a sua capacidade de assumir essa luta parece tão grata à sua mãe, Mônica, porque você costuma discutir como ela está mais orgulhosa de você quando você se levanta. Eu me pergunto, alguma coisa a surpreende agora?

Rihanna Fenty: Quando eu contei a ela sobre a LVMH, ela simplesmente não conseguia acreditar. Ela disse: “Oh Deus, glória, glória a Deus”. Ela é tão orgulhosa, tão feliz, e ainda está se beliscando. Ela carrega minha maquiagem em sua loja em Barbados. É um círculo completo, porque foi ela quem me trouxe para a loja de departamentos depois da escola – toda aquela maquiagem, foi divertido.

Jeremy O. Harris: Eu estava aos pés da minha mãe em um salão de cabeleireiro. Eu sei que ela gostaria de saber: Você tem cabelos Fenty vindo?

Rihanna Fenty: Assim que eu estiver pronta para desistir das duas horas de sono que recebo agora, aí vou para os cabelos. Você sabe que não estamos parando por aqui.

Jeremy O. Harris: Como dramaturgo, tenho que perguntar: você atuará de novo? Pegaria “Nasce Uma Estrela?”

Rihanna Fenty: Provavelmente vou tentar um pouco mais, mas não até saber que posso lidar com um papel principal e levar um filme por conta própria, porque me já ofereceram…

Jeremy O. Harris: tenho certeza.

Rihanna Fenty: Eu sempre falo: “Gente, obrigado por confiar em mim, mas a Angelina Jolie está lá.”

Jeremy O. Harris: Do que mais você tem medo? Você sente medo, aliás?

Rihanna Fenty: Eu tenho medo de ter medo, porque sei que isso significa que tem algo errado. Se sinto medo, isso significa que não está certo.

Jeremy O. Harris: Você sentiu medo de trabalhar com LVMH e Arnault?

Rihanna Fenty: Não, eu sinto essa pressão para não decepcionar Arnault. Eu senti que este é um momento da história que eu tenho que viver. Essa é minha chance e eu só tenho uma chance para fazer isso e não pode dar errado. Mas eu tive medo uma vez na vida, não consigo me lembrar exatamente sobre o quê: eu me lembro da minha mãe dizendo, “Eu vejo algo em seus olhos que eu nunca vi antes.” E eu fiquei tipo “O que ?” E ela estava tipo, “medo.” E eu comecei a chorar. Então, toda vez que eu sinto aquela ansiedade, eu literalmente tento empurrá-la de volta para o nada.

Jeremy O. Harris: Você visualiza isso. Antes de ir, uma última pergunta: quando você vai tirar férias de tudo isso? Será quando você ganhar dinheiro suficiente – existe um número em sua mente?

Rihanna Fenty: Eu nunca pensei que ganharia tanto dinheiro, então um número não vai me impedir de trabalhar. Eu não estou sendo impulsionada por dinheiro agora. O dinheiro está acontecendo ao longo do caminho, mas estou trabalhando naquilo que amo fazer, no que sou apaixonada. O trabalho mudará quando minha vida mudar no futuro, mas uma quantia em dinheiro não vai impedir isso.

Jeremy O. Harris: Se o dinheiro não está guiando o trabalho, o que o dinheiro significa, então?

Rihanna Fenty: O dinheiro significa que eu posso cuidar da minha família. O dinheiro significa que eu posso facilitar as empresas que eu quero. Eu posso criar empregos para outras pessoas. Meu dinheiro não é para mim; é sempre o pensamento de que posso ajudar alguém ou, no futuro, se tiver filhos. O mundo pode realmente fazer você acreditar que as coisas erradas são prioritárias, e isso faz com que você realmente sinta falta do núcleo da vida, o que significa estar vivo. Poderia literalmente estar andando ao sol. Isso me faz feliz. Como ir ao supermercado — você sabe, há um pequeno mercado jamaicano perto de onde eu moro agora.