| Agência de Publicidade e Marketing 360º

Mini carrinho

Recentemente a OMS (Organização Mundial de Saúde) decretou pandemia do novo coronavírus. Até o momento, são mais de 100 mil infectados e 4 mil mortes registradas por todo o mundo. O Mas qual a diferença dessas classificações?

O primeiro ponto a ser esclarecido, é que essas classificações não dependem do número de infectados, e sim de como a doença atinge determinada região, ou o planeta.

Surto 

É considerado surto quando há um aumento súbito de casos, que ultrapassa o esperado pelas autoridades,  em uma região específica, como em um bairro, por exemplo.

Epidemia

A epidemia acontece quando se elevam os casos de surto de uma doença em diversas regiões. Por exemplo, quando o surto atinge diversos bairros de um município, pode-se considerar uma epidemia municipal, em seguida uma epidemia estadual, que é quando vários estados apresentam casos da doença, e epidemia nacional quando os casos se espalham pelas regiões do país. Como aconteceu recentemente com os casos de dengue no Brasil, em que diversas cidades decretaram epidemia.

Pandemia

A palavra “pandemia” por si já causa pânico, e por isso a OMS só decreta pandemia se a doença alcançar níveis mundiais, tendo casos confirmados em todos os continentes. É quando uma epidemia se espalha pelo mundo. O último registro de pandemia foi em 2009, quando a gripe A (h1n1) registrou casos em todo o planeta.

Endemia

A endemia é quando uma doença atinge um local com muita frequência, podendo ou não ser sazonais (próprio de uma estação específica do ano). Por exemplo, a febre amarela no norte do Brasil.

Como essas classificações afetam na manuseio do novo vírus? Servem para que os países fiquem alertas e intensifiquem medidas de contensão para conter a disseminação, e possam atender os infectados adequadamente.

Nesta quarta-ferira (11) foi publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF)  o decreto editado pelo governador Ibaneis Rocha suspendendo as aulas na rede pública e privada, eventos, festas e missas por cinco dias. A medida é resultado da ameaça de epidemia na capital federal provocada pela disseminação do novo coronavírus, que já atingiu vários países e foi classificada  hoje como pandemia pela Organização Nacional de Sáude (OMS). No DF já foram confirmados 2 casos da COVID-19.

No decreto, Ibaneis Rocha justifica a medida adotada pela menção da OMS divulgada nesta quarta-feira, que classificou o novo coronavírus como uma pandemia. No texto publicado é ressaltado ainda que a “saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação, na forma do artigo 196 da Constituição da República” e que, por isso, considera que a situação “demanda o emprego urgente de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública, a fim de evitar a disseminação da doença no Distrito Federal”.

Além de suspender as aulas, Ibaneis estendeu a medida para eventos que exijam licenças do Governo do Distrito Federal. Sejam eles de qualquer natureza, que exijam licença do Poder Público, com público superior a 100 pessoas, como: atividades educacionais em todas as escolas, universidades e faculdades, das redes de ensino pública e privada.

Ligamos para Você!


Seu número de telefone não será usado para fins de marketing